Pensamentos

A única maneira de ter um amigo é sendo um.
(Ralph Waldo Emerson)

Para que Rezar? se Posso Orar!

sexta-feira, 27 de novembro de 2015



PARA QUE REZAR? SEU EU POSSO ORAR!
Mt 6.9-15 / Lc 11.2-4



Introdução:

Antes de entender o Pai Nosso, devemos compreender o que não é o Pai Nosso.
Mt 6.5-8.

Fundamento da oração:

Grego: προσεύχομαιverbo imperativo presente da segunda pessoa do plural – Uma ação que Deus determina, que façamos não para amanhã, mas hoje, sendo isso designando para doto ser humano; ou seja, a todos que reconhecem a Deus como Pai. Encontramos um Deus relacional, que nos mostra como devemos relacionar com o próximo. 

1) em benefício de
2) em, perto, por
3) para, em direção a, com, com respeito a


Primeiro temos que entender a definição do que é “Pai” e sua finalidade:

Definição: Pai (do latim patre; também chamado de genitor, progenitor, ou ainda gerador) é a figura masculina de uma família que tenha um ou mais filhos e assume o primeiro grau de uma linha ascendente de parentesco. A paternidade dá-se pela ancestralidade biológica (isto é, a partir da fertilização), proveniente do casamento, da união estável e/ou da relação monoparental como estado de parentesco. Ainda há também a possibilidade legal de paternidade a partir da adoção ou técnicas de reprodução assistida.

Finalidade: Curiosamente a nossa palavra patrimônio (Latim: patrimonium) está associada e etimologicamente à palavra pai. Recebemos nosso patrimônio de nossos pais. De fato, de modo especial na infância, com raríssimas exceções, dificilmente podemos contribuir para o aumento dos bens de nossos pais; nós apenas os recebemos. No futuro, possivelmente nossos filhos receberão os nossos bens, muito ou pouco; Salomão, inspirado por Deus, escrevera: “A casa e os bens vêm como herança dos pais...” (Pv 19.14).   (Hermisten Maia. Símbolos de Fé, 2015).






Desenvolvimento:

O fundamento do Pai Nosso está muita mais além, do que pensamos. Sua aplicação está mais aprofundada na vontade de Deus para com o homem, para que esse possa encontrar e verdadeira vontade, muito mais do que uma simples reza.

Pai Nosso: Pronome pessoal definitivo – define quem é a pessoa que está falando e sua potencialidade; Mt 5. 22, onde o “Eu” é invocado como aquele que é o detentor de todas as regras.

Nosso: Engloba um Deus, que tem vários filhos, na qual temos que reconhecer os vários irmãos que temos; e principalmente as necessidades que nos cercas.

Santificado seja Teu nome: santificado é tornar santo ou tratar como santo o nome de Deus.
  •    Qual é o terceiro mandamento: Não tomaras o nome do Senhor, teu Deus, em vão, porque o Senhor não terá por inocente o que tomar o seu nome em vão. (Catecismo Maior de Westminster – pergunta 111).


  •   O terceiro mandamento exige que o Nome de Deus, os seus títulos, atributos, ordenanças, a palavra, os sacramentos, a oração, os juramentos, os votos, as sortes, suas obras e tudo quanto pelo que Deus se faz conhecer sejam, santa e reverentemente, usados em nossos pensamentos, meditações, palavras e escritos, por uma profissão santa e um comportamento conveniente, para a gloria de Deus e para o nosso bem e o do nosso próximo.  (Catecismo Maior de Westminster – pergunta 112).


V. 10 - Venha o teu reino:
·         Encontramos em Mt 3.2, João batista anunciando o reino – Naqueles dias, apareceu João Batista pregando no deserto da Judéia e dizia: 2 Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”.

·         Mt 4.17, encontramos o reino de Jesus sendo proclamado, por ele mesmo após as tentações no deserto – Daí por diante, passou Jesus a pregar e a dizer: Arrependei-vos, porque está próximo o reino dos céus”.


1 º APLICAÇÃO:

V. 11 – O pão nosso de cada dia nos dia dá-nos hoje. – esse versículo trata em segundo lugar, do interesse do homem. 
·         Alimento. (Necessidade física)
·         Há três aplicações para o cada dia. – presente e futuro.

1.    A visão sacramental (o corpo do Senhor).
2.    A visão escatológica (Simboliza a vinda do reino vindouro, sendo a petição a continuação do seu reino).
3.    Visão do sustento (provisão de necessidades físicas diárias). -V. 25-34 – ociosidade pela vida.


2º APLICAÇÃO:

V. 12 – Perdão – “perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós temos perdoado aos nossos devedores”.
·         Mt 18. 23-35 – A parábola do credor incompassivo
·         Fazemos isso porque Deus o fez em primeiro lugar e Cristo em segundo lugar.  


3º APLICAÇÃO:

V. 13 – E não nos deixe cair em tentação; mas livra-nos do mal.
·         Direção (A igreja conduz através da palavra o caminho certo).

·         A importância da igreja, em buscar todos os que estão perdidos sem Cristo Jesus.

·         Ser uma igreja evangelística e acolhedora.

·         A igreja, possui a capacidade para ajudar todos cristãos a desenvolver através da instrução da palavra para vencer a tentação e fugir dela.

1.    Mt 26.41 “Vigiai e orai, para que não entreis em tentação; o espírito, na verdade, está pronto, mas a carne é fraca”.


Conclusão:

A oração do Pai Nosso, nos proporciona reconhecer o seguintes significados:
·         Nossa insuficiência.
·         Confiança na proteção divina.
  •      Humildade, que espera segundo a vontade do Pai e a inteligência para discernir as respostas de Deus. Muitas vezes pedimos paciência e recebemos tribulações (Rm 5: 3-4). Deus não tenta a ninguém Tg 1.13 - “Ninguém, ao ser tentado, diga: Sou tentado por Deus; porque Deus não pode ser tentado pelo mal e ele mesmo a ninguém tenta”.


Resultado da oração:

·         Estabelece relação entre as limitações humanas e a onipotência de Deus.
·         Faz-nos reconhecer a nossa dependência como filhos.
·         Fortifica-nos a fé.


Autor: Felipe Abreu

0 comentários:

Receba atualizações por e-mail

 

Copyright © Vivendo o IDE All Rights Reserved • Design by Dzignine
best suvaudi suvinfiniti suv